Tecnologia

Tecnologia (3)

Comercializado a R$ 21,20 em 2010, o preço médio mensal de 1 Mbps no mercado de banda larga fixa brasileiro despencou 83,4% até 2018, fechando o ano passado com custo de R$ 3,50. As informações estão no Relatório de Acompanhamento do serviço elaborado pela assessoria técnica da Anatel e divulgado nesta segunda-feira, 25. Frente o valor médio cobrado em 2017, o indicador registrou alta de R$ 0,10, ou 2,9%.

No caso da Vivo, a diminuição do preço desde 2010 atingiu 92% ao passar de R$ 41,60 reportados pela agência para R$ 3,30 atuais – vale ressaltar que a empresa incorporou a GVT em 2015. Percentual semelhante foi verificado na Oi, na qual o custo médio mensal por Mbps caiu de R$ 34,50 para R$ 2,90 (queda de 91,5%). Já na comparação de 2018 com 2017, a Oi diminuiu seu preço em 6,4%, frente alta de 10% no valor médio do Mbps dos planos da Vivo. Para o cálculo, o mês de dezembro da cada ano foi usado como referência.

variacao-preco-mbps

 (Teletime/Reprodução)

Líder do mercado de banda larga fixa, o grupo América Móvil (ou Claro/Net na terminologia usada pela Anatel) surge como player que cobrou o menor valor médio em 2018: R$ 2,70 por Mbps, em queda de 10% frente 2017. Na comparação com o preço de 2010 (R$ 8,20, ou bem menor que a concorrência da época), houve queda de 67%.

No caso da TIM, a série histórica começa em 2014 e se assemelha com os números atuais: os R$ 3 da época subiram para R$ 3,10 no ano passado após atingirem R$2,30 em 2017. Já a Sercomtel derrubou seus preços em 67,4%: de R$ 16,90 em 2010 para R$ 5,50 atuais, ou o valor mais alto verificado pelo estudo da Anatel mesmo após uma redução frente 2017 (quando o Mbps médio mensal custou R$ 5,9). A agência lembra que não regula os preços do mercado de banda larga fixa, ao contrário do que ocorre na telefonia móvel.

Fonte.: Exame / Por Henrique Julião, do Teletime

Banda Larga (sxc.hu/Reprodução)

 

A Apple anunciou na noite desta sexta-feira, 31, véspera de um fim de semana prolongado nos EUA por causa do feriado do Dia do Trabalhador no país, um programa de reparo do iPhone 8. Segundo o comunicado da empresa, algumas unidades do celular foram vendidas com placas lógicas (também conhecidas como placas-mãe) defeituosas.

 

O comunicado informa que os aparelhos afetados tendem a apresentar problemas como reiniciar de forma aleatória, travar a tela sem motivo ou simplesmente parar de ligar.

 

Segundo a empresa, apenas um percentual baixo de aparelhos foi afetado. As unidades afetadas foram comercializadas apenas entre setembro de 2017 e março de 2018 na Austrália, China, Hong Kong, Índia, Japão, Macau, Nova Zelândia e Estados Unidos. Como muitos brasileiros costumam comprar iPhones em viagens, é possível que haja alguns casos de iPhones defeituosos em atividade no Brasil.

 

 

Para descobrir se o seu iPhone comprado no exterior faz parte do lote defeituoso, a Apple orienta os usuários a colocar o número de série do aparelho neste link para fazer a verificação.

 

No entanto, se você comprou um celular no exterior que seja habilitado ao reparo, existe uma possibilidade que o celular não possa ter a peça substituída no Brasil. “A Apple pode restringir ou limitar o reparo ao país ou região de compra original. Para iPhones 8 comprados em países membros do EEA (sigla para Espaço Econômico Europeu), o serviço está disponível em outros países do EEA”, diz o comunicado. Ou seja: se você comprou o celular problemático nos EUA, você pode não conseguir repará-lo aqui no Brasil.

Nubia, uma marca de smartphones chinesa pertencente à ZTE, anunciou nesta semana durante a IFA 2018 um produto inédito e, no mínimo, curioso. Trata-se do Nubia-α, uma espécie de "celular de pulso" com tela flexível.

 

O aparelho não teve muitos detalhes divulgados, mas fabricante garantiu que não é apenas um conceito. O Nubia-α deve começar a ser vendido na China até o final deste ano, por um preço que também permanece mistério até agora.

 

Segundo a fabricante, o Nubia-α não é apenas uma pulseira eletrônica ou um relógio inteligente, mas um smartphone completo para ser colocado no pulso. Ele tem suporte a apps, atende e faz ligações e vem até com uma pequena câmera.

 

 

 

 

Além disso, ele possui suporte a um eSIM para ter acesso à rede de internet 4G. Outros detalhes, como a montadora do display, o processador do aparelho e o sistema operacional, não foram divulgados, de acordo com o Gizmodo.

 

Só o que existe a respeito do Nubia-α por enquanto é o vídeo de apresentação que a fabricante divulgou e fotos postadas no Twitter por pessoas que viram o protótipo em exibição na IFA.


© 2018 Portal de Notícias e Guia Comercial



Todos os direitos reservados.

 

Desenvolvido por Interativo Negócios